Atendimento: Seg - Sex | 09:00-18:00
Email: contato@kardan.com.br Envie uma mensagem: (47) 99971-5155

As mídias sociais são meios muito importantes para engajar com o seu público-alvo e fazer com que sua marca seja notada em meio aos concorrentes. Porém, é muito comum que alguns erros médicos nas redes sociais prejudiquem esses objetivos.

É essencial ficar atento a essas ações incorretas, pois muitas delas afetam diretamente na vida dos seus seguidores e, inclusive, na atuação do profissional nesses canais. Afinal, são estratégias que impedem o desempenho do negócio e algumas contrariam o conselho que regulamenta as atividades médicas.

 

7 erros cometidos por médicos nas redes sociais: saiba se você os pratica

Para que você saiba se está cometendo alguma falha e possa solucioná-las o quanto antes, listamos as 7 principais que são mais praticadas na área médica. Continue lendo:

 

1. Não ter uma persona

A persona é uma ou mais figuras que representam quem você quer alcançar, mas de uma maneira mais específica, pois mostra hábitos de consumo, profissão, renda, quem influência nas compras, etc. O objetivo é traçar estratégias direcionadas para obter o máximo de retorno.

Mesmo sendo tão importante definir isso para atingir quem tem o perfil ideal para o seu negócio, ainda há profissionais que negligenciam essa parte na hora de montar o seu planejamento. Mas é preciso pensar nisso, pois um pediatra, por exemplo, não pode publicar conteúdos ou ações para alcançar as crianças, mas sim os seus pais.

Para desenvolver personas, basta fazer pesquisas em formulários nas mídias sociais ou no próprio ponto comercial. O importante é saber levantar as perguntas certas para ter um resultado satisfatório, sem incomodar os clientes.
 

2. Estar em vários canais e compartilhar o mesmo post em todos

Muitos médicos supõem de forma errada que é necessário estar presente em todas as plataformas disponíveis para terem visibilidade e, no fim, não conseguem gerenciar todas elas. Para saber de fato quais canais você deve ter, é preciso considerar fatores como:

  • onde o seu público-alvo está;
  • se a rede é adequada para sua especialidade e informações publicadas;
  • se há disponibilidade para cuidar, conforme o tempo que demanda.

Isso significa que dedicar-se há dois ou três meios de comunicação certos é mais efetivo do que criar uma conta em muitas e não ter a possibilidade de monitorar. O Twitter, por exemplo, exige que você esteja lá quase que 24 horas por dia para publicar e acompanhar as menções da sua marca.

Não bastasse isso, existem profissionais que além de estarem em muitos lugares, sempre publicam o mesmo material em todos. O problema disso, é que cada um tem suas características e demandam abordagens distintas. Por exemplo, o Facebook permite a inserção de links para levar a um artigo do blog, já o Instagram não, pois seus formatos são apenas de fotos e vídeos. Por isso, aproveite cada recurso!
 

3. Não interagir com os seus seguidores

Interações são formas de criar um relacionamento consistente com quem segue você. Se eles não tiverem um retorno nos seus comentários e nas mensagens, principalmente em casos de dúvidas, dificilmente voltarão a engajar com a sua página nos próximos posts.

Para isso, procure postar conteúdos que sejam capazes de iniciar um diálogo com os pacientes. Além disso, participe de conversas em outras páginas que estão o seu público para mostrar autoridade e ser reconhecido por eles. Sendo assim, reserve sempre um tempo para interagir todos os dias.
 

4. Não ter uma brand persona

As suas redes sociais passam a personalidade da sua marca? A maioria dos profissionais não estabelecem uma brand persona, ou seja, uma forma única baseada nos seus valores para se comunicar com as pessoas.

Isso precisa estar bem exposto em tudo o que você faz, seja nas campanhas de marketing, nas respostas aos consumidores, nas legendas das publicações etc. Por exemplo, um psicólogo não deve ter uma linguagem e tom mais descontraídos e nem tão formal e frio, pois esse aspecto influencia na aproximação ou distanciamento das pessoas.
 


 

5. Expor fotos de pacientes ou imagens impactantes

Por mais que você queira alertar sobre o que uma doença pode causar se não for diagnosticada cedo e tratada, o Conselho Federal de Medicina não permite que sejam publicadas imagens fortes. Mas, além disso, essa ação pode causar o afastamento de quem te segue, em vez de aproximar.

Nesse caso, não é apropriado que um dermatologista mostre fotos de uma pele com queimaduras de terceiro grau. Há outras opções mais suaves para explicar o que deseja, como conteúdos em ilustrações.

Ainda com relação a esse formato, o CFM proíbe selfies ou fotografias dos clientes no famoso “antes e depois”, mesmo com a permissão dada por eles. O objetivo é que os clínicos não se promovam expondo quem atendem, pois, cada pessoa é única e não há garantia de resultado satisfatório para todas.
 

6. Anunciar os equipamentos para mostrar capacidade

O regulamento médico coíbe que a aparelhagem utilizada seja um motivo para diferencial. Portanto, se você investiu em equipamentos mais potentes e caros e deseja divulgar para todos, tenha consciência que essa prática é considerada antiética.

Mas isso não significa que não possam ser abordados assuntos sobre as ferramentas e aparelhos que são usadas por você e que fazem a diferença no atendimento. Existem formas mais discretas de mostrar a importância de todas em um blogpost, por exemplo.
 

7. Oferecer soluções mágicas

Mesmo que a intenção não seja das piores, muitos profissionais prometem soluções milagrosas para perder peso, não ter mais problemas com dores de cabeça ou para outros casos que são muito buscados nas plataformas sociais.

No entanto, é um erro que pode colocar a vida dos seguidores em risco, pois mesmo indicando um simples remédio, as pessoas leigas não tem conhecimento o suficiente para saber a dosagem certa conforme as suas características e condições. A informação é útil, mas tenha cuidado para não fazer prescrições ousadas.

Enfim, ao mesmo tempo que a internet é uma ferramenta relevante para conquistar e aproximar os seus pacientes, os erros cometidos por médicos nas redes sociais tornam-se grandes motivos para os afastar. Felizmente, você já sabe como não cometer os principais deles e manter a sua audiência. Agora que já sabe o que não fazer nessas plataformas de comunicação, saiba outras maneiras de como atrair novos clientes para a sua clínica.

 

Deixe uma mensagem

:: Últimos posts

LGPD para clínicas de Cardiologia
Adequação LGPD para clínicas de Cardiologia
26 de outubro de 2020
LGPD para clínicas de ortopedia
Adequação LGPD para clínicas de ortopedia
23 de outubro de 2020
médico particular precisa ter um site
Um médico particular precisa ter um site na internet
19 de outubro de 2020
LGPD para clínicas de radiografia
Adequação LGPD para clínicas de radiografia
16 de outubro de 2020
site médico pode garantir a agenda cheia
Um site médico pode garantir a agenda cheia todo mês
12 de outubro de 2020

Receba dicas exclusivas

Assine nosso boletim e receba dicas exclusivas e informações úteis sobre marketing médico:
Open chat
Olá, notamos que você está lendo sobre os principais erros médicos nas redes sociais. Se você tem alguma dúvida pessoal ou está pesquisando para alguém, fale com um de nossos especialistas agora. Clique no ícone abaixo e fale via Whatsapp.